terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

“Série Entrevista I – Sr. Antonio Gondim Sampaio”


Ficha técnica

Nome: Antonio Gondim Sampaio
Filiação: José Sampaio Primo e Maria Garcia Gondim
Estado: Barbalha – CE
Data do nascimento: 23 de setembro de 1919
Profissão: Empresário

Entrevista realizada no mês de fevereiro de 2011 por Guilherme Jorge Figueira com o veterano da Acção Integralista Brasileira - AIB (1932-1937) e do Partido de Representação Popular – PRP (1945-1965) Sr. Antonio Gondim Sampaio.

Na imagem de 1956, Antonio Gondim, no primeiro plano, e Plínio Salgado. No segundo plano, da esquerda para direita, o Dr. Pio Sampaio, ex-chefe da Acção Integralista Brasileira - AIB (1932-1937) e Antonio Costa Sampaio, líder Integralista, ex-Prefeito de Barbalha (Fonte: Acervo Gondim Sampaio).  

1)     Sr. Antonio Gondim, sempre há o começo na militância política, como foi o seu início?

Em 1938, estudante, fui atraído para o Integralismo, pelas exterioridades: Camisa Verde, Bandeira, desfiles, o Anauê, tudo aquilo eu achava muito bonito e me levou a freqüentar a sede para saber o que era realmente o Integralismo. Assistindo as palestras, lendo os jornais e as revistas do movimento, fiquei fascinado também pela doutrina, que embora sendo um pensamento novo, não tinha nada de que eu pudesse discordar. Em 1940 quando completei 21 anos, a maioridade exigida pelos estatutos para prestar o juramento, me tornei um verdadeiro Integralista. Após o seu fechamento, fiquei afastado de qualquer atividade política, até a fundação do Partido de Representação Popular - PRP, ao qual me filiei.

2)      O senhor fez parte da Acção Integralista Brasileira - AIB, após seu fechamento em 1937, o movimento Integralista voltou a ser representado nacionalmente pelo Partido de Representação Popular – PRP, que aglutinou diversos Integralistas da antiga AIB. O senhor fez parte do Partido? Por quê?

Meu primeiro encontro com o Chefe, aconteceu em 1949 quando ele veio à Fortaleza – CE em campanha pelo PRP. Uma semana antes de sua chegada, eu já estava lá para colaborar nos preparativos. O Partido Comunista – PC ameaçava tumultuar a conferência que ele iria realizar no Teatro José de Alencar. Faixas com os dizeres “ELE NÃO FALARÁ” enchiam a cidade. Por toda parte viam-se pichações com o “FORA PLÍNIO SALGADO”.

Diante dessa situação, nosso maior receio era que o público temendo surpresas desagradáveis, não comparecesse ao teatro. Felizmente isso foi resolvido com palestras nas emissoras locais, garantindo a segurança e mostrando a importância do acontecimento.

Para afastar a hipótese de que eles pudessem cortar a energia do teatro no momento em que o Chefe estivesse falando, o que desencadearia um imprevisível e perigoso estado de pânico, um companheiro, proprietário de uma firma de motores, emprestou um grupo gerador que foi instalado, tornando a iluminação do teatro independente da iluminação pública.

Os episódios que culminaram com a morte do agitador comunista Jaime Calado, na tarde do dia em que à noite, aconteceria a conferência, contribuía para tornar mais tensa a situação. Montamos um sistema de segurança com o apoio da Polícia Estadual, que garantiu a tranqüilidade desejada em toda área adjacente a entrada do teatro.Apesar de visivelmente abalado com os últimos acontecimentos, o Chefe impressionou a platéia com um belíssimo discurso interrompido freqüentemente com aplausos. Ao termino, foi comovente ver aquele imenso auditório não contendo a emoção, levantar-se e aplaudi-lo de pé longamente.

3)      Durante as eleições ocorreram diversas Carreatas Populista para promover a campanha de Salgado para Presidente, na década de 50? O senhor participou de alguma delas? Como elas se desenvolviam.

Nas épocas de eleição, o costume de carreatas, foi sempre uma maneira de demonstrar a preferência por um determinado candidato. Nessa região, como as cidades são muito próximas, as carreatas do PRP se tornavam muito grandes, contando com a participação de todas elas. Realizaram-se várias. Participei de todas.

4)      Chegou ao meu conhecimento que o senhor conheceu Plínio Salgado por duas vezes, como foi o encontro?

O meu segundo encontro com o Chefe foi em 1956 quando ele veio ao Cariri, visitando as cidades de Barbalha, Juazeiro do Norte e Crato, como candidato do PRP a Presidente da Republica. Acompanhei-o em todo percurso, fazendo a cobertura fotográfica. Foram três dias inesquecíveis, marcados pela convivência com um homem verdadeiramente extraordinário, cuja inteligência, cultura, simplicidade e amor a Pátria, só podia ser avaliado por quem o conhecesse de perto.

5) Por fim, qual a mensagem que o senhor deixa a todos os jovens que atualmente buscam informações sobre a trajetória do movimento Integralista?

O Integralismo foi o maior e o mais bonito movimento político da história do Brasil. Empolgou a juventude da minha geração que, vestindo a Camisa e a Blusa Verde, sentiu a felicidade proporcionada pelo orgulho de saber que estava construindo uma grande nação.

Que a juventude contemporânea procure conhecer a verdadeira história do Integralismo para, ajudando a restaurar o esplendor do seu passado de glória, possa realizar o sonho dos seus colegas de ontem e receber os aplausos das gerações que lhe sucederem.

---

Abaixo lista de entrevistados:

Entrevista XII: Sr. Marco Antonio Rattes Nunes: (http://historia-do-prp.blogspot.com.br/2013/12/serie-entrevistas-xii-sr-marco-antonio.html);

Entrevista XI: Sra. Ana Carolina Monteiro Porto de Oliveira (http://historia-do-prp.blogspot.com.br/2013/11/serie-entrevistas-xiii-sra-ana-carolina.html);

Entrevista X: Sr. Jeronimo de Araujo (http://historia-do-prp.blogspot.com.br/2013/10/serie-entrevistas-xii-sr-jeronimo-de.html);


Entrevista IX Sra. Lieden Maria de Oliveira Carvalho (http://historia-do-prp.blogspot.com.br/2013/07/ssss.html);











Um comentário:

  1. Bem interessante a entrevista, infelizmente o professor Sergio de Vasconcelos não estava lá.

    ResponderExcluir

Obrigado.